24 de Abril de 2018

O dinamismo do tecido empresarial ficou bem marcado na sessão que contou com três empresas locais: ASPORTUGUESAS, JJHeitor e lalaLand

A primeira sessão do roadshow Norte Digital decorreu no dia 22 de março em Santa Maria da Feira e deixou bem vincado o interesse das organizações na digitalização e a dinâmica já existente em torno deste tema.

O projeto Norte Digital arrancou no ano passado e põe no terreno uma iniciativa da ACEPI - Associação da Economia Digital que tem como objetivo incentivar as empresas do Norte de Portugal a assumirem a transformação digital, sobretudo através do comércio eletrónico e da participação em e-marketplaces internacionais.

Entre as iniciativas previstas está um Roadshow por várias cidades do norte do país, que teve início em Santa Maria da Feira, contando com a presença do presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, do presidente da Associação Empresarial da Feira, Artur Dias, do Administrador Executivo da AICEP – Portugal Global, João Dias, e do presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca.

No arranque da sessão, o presidente da Câmara de Santa Maria da Feira realçou o carácter empreendedor do concelho, bem representado pelos oradores de três empresas locais: ASPORTUGUESAS, JJHeitor e lalaLand. O dinamismo do tecido empresarial foi também salientado pelo presidente da Associação Empresarial da Feira que reconheceu, ainda assim, a necessidade de disseminar, entre os empresários da região, mais informação sobre os diversos temas da economia digital.

Na sua intervenção, o administrador executivo da AICEP- Portugal Global revelou a lista dos maiores mercados de e-commerce internacionais, liderada pela China, com 672 mil milhões de dólares, seguida pelos dos EUA e Reino Unido. O top 10 é fechado pelo Brasil com 19 mil milhões de dólares. Ainda assim, apenas 10% das empresas portuguesas realizam transações online.

Segundo o administrador da AICEP há o risco das PME portuguesas perderem mercado por não investirem na internacionalização pelos meios digitais. Esta opinião é reforçada pelo presidente da ACEPI que referiu que, embora haja 1.400 milhões de compradores online no mundo e a percentagem de portugueses a comprar online seja de 36% (prevendo-se que em 2025 seja de 59%), 60% das empresas portuguesas não têm presença online.

Planos para dinamizar a economia

A apresentação das principais linhas de ação do Norte Digital ficou a cargo do coordenador do projeto, António Teixeira. Durante os próximos meses, a equipa Norte Digital vai percorrer todas as regiões do Norte do país em 20 sessões de informação sobre comércio eletrónico, marketing digital, participação em e-marketplaces, entre outros temas relacionados com a economia digital.

A iniciativa apoiada pelo Norte 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional vai também contemplar estudos de diagnóstico das PME do Norte do país, benchmarking e análise das principais economias na área do comércio eletrónico. A este respeito, o coordenador do Norte Digital revelou que o primeiro estudo dedicado ao levantamento de informação das principais economias na área do comércio eletrónico e de maior potencial de adesão aos produtos nacionais está já concluído e os resultados irão ser disponibilizados, em breve, no site do projeto.

Durante este ano, vão ser selecionadas 50 empresas para participarem num projeto-piloto de qualificação para a economia digital, com o objetivo de aumentar o valor das vendas online e transações eletrónicas. As candidaturas estão abertas em www.nortedigital.pt.

No final da iniciativa, o Norte Digital vai acompanhar a criação de três gabinetes de apoio às PME para a economia digital, numa câmara municipal, numa associação empresarial e numa incubadora tecnológica.

Desafios da digitalização

A sessão contou ainda com Vera Maia, especialista com vasta experiência na implementação de operações na área do comércio eletrónico, que explicou os oito pontos principais na criação de um negócio de e-commerce. A consultora e formadora salientou a necessidade de ter uma visão abrangente do negócio, responder às necessidades do cliente e proporcionar-lhe uma experiência excelente, em todas as etapas do processo de venda online: desde a navegação na plataforma de e-commerce até ao momento em que recebe o produto. “É esse cuidado que fideliza os clientes”, afirmou.

Embora a presença portuguesa na Economia Digital não seja ainda a ideal, há exceções bem-sucedidas, como é o caso da empresa ASPORTUGUESAS. Pedro Abrantes, o designer e CEO da empresa que é apontada como a “primeira do mundo” em chinelos de dedo em cortiça e que resultou de uma parceria entre o designer e a Amorim Cork Ventures, explicou os desafios que enfrentou quando lançou a marca apenas no online.

Numa mesa redonda em que se abordaram os desafios do e-commerce nas PME, dinamizada pelo professor Jorge Remondes, responsável pela Pós-Graduação Marketing Digital e e-Commerce do ISVOUGA, estiveram presentes dois empresários do Concelho de Santa Maria da Feira com presença nos negócios online. Vasco Heitor, o CEO da JJHeitor, empresa de calçado com mais de 50 anos de história que se aventurou mais recentemente nos negócios digitais, e Rui Pinho, CEO da lalaLand, um marketplace de moda, enriqueceram o debate com os testemunhos das suas experiências no digital.

A próxima sessão do Norte Digital vai realizar-se no dia 12 de Abril, no Regia-Douro Park, em Vila Real, seguindo-se o Reactor-Lionesa, em Leça do Balio, no dia 19 de Abril. O calendário completo pode ser consultado no site do Norte Digital.